domingo, 27 de fevereiro de 2011

Motorista Assassino





Declarado a morte do ser amado
por um carro passado em cima
com suas rodas de crueldade
a antipatia como combustível
guiado pelo monstro social

Lágrimas molham bicicletas
entortadas junto aos corações
o chão com sangue derramado
é a desgraça pela rua lavada

O acelerador do carro
é a peste no corpo da vida arrancada
há um vomito de lixo fétido
jogado na direção da esperança

A multidão toda faleceu
a via inteira se perdeu
as pessoas dos prédios
o trânsito de carros ...

O poeta também morre ali
se feri e sai de coração despedaçado
Sobram as carcaças e rastros
os danos espalhados pelos cantos
gemidos de dor e pura revolta

O pessoal da bicicleta atleta
o cara assassino do carro
a rua poluída e cinza
compõem as vias indignas
da triste vida de cidade maldita


MonoTeLha

Um comentário:

  1. também sentimos com nossos corações de concreto em vias coronárias...

    ResponderExcluir