quarta-feira, 10 de maio de 2017

Sono de Lágrimas



Seguindo perdido no frio
inimigo de si o eu sozinho mendigo
se arrasta cidadão da urbana sucata
limpa com lenço do poema à zero hora
um choro cai rasgando como navalha
fatiando  a cara
até o coração que se apaga
vida que escangalha 

Em sua cama suicida de agonia
deita o pesadelo onírico vivo
viés sonho despedaçado  
desgraça amarga
a vida bastarda
grita sua alma

Cabeça no travesseiro sarjeta 
cobertor felpudo de tristeza
solidão sempre solidária
evidência do vazio e o nada
um sono de lágrimas 
sonhando impossível  sorriso
proibido ser vivo

A cidade é seu precipício
afoga a cama
queda aberta
morte paralela
a vida ali sozinha se encerra
antes era bela
agora triste e velha
já era

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Cotidiano Letal




A escravidão da vida
pútrida indigna
extingue a via viva
antiga nossa trilha bonita
agora fica fria
guerra no dia à dia

Choro nos destroços
gotas no resto morto formado lodo
lágrimas do estudante crocodilo vendido
uma bolsa de apatia
a mochila da China
empresa na fila
inteiro desemprego
fome e desespero

O capitalismo de salsichas
estragos desunidos da América 
é uma baleia radioativa ferida
vomitando um telejornal
a internet fezes

O Japão de Fukoshima
está Chernobyl da vida
oceano alaga agonia
plâncton em chacina
não respira a vítima
vida viva

Bomba atômica made in Rússia
apresenta ausente núcleo sentimental
origem em coração vazio
vai à cidade Europa cinza
perdida

Brasil zona anti Amazônia 
 comércio de berços e bebês
vendendo o fígado da menina
uma alcoólatra cria
mãe em dejeto infantil
pivete pileque mundial
um feto dos fatos fatais
raspa de restos

O pesadelo reside em pobre 
pois  há ricos que podem sonhar
o pago sono injusto
nesse bunker bastardo
miséria e desamparo

A demência envia lembranças
passado futurista aos cantos temporais
dinheiro rascunho
plano funeral
jogo de guerra
rabisco inimigo

Emergência do incêndio veneno
contamina com bactérias e vírus
ser vivo vencido mendigo
colado no lixo
morto caindo do precipício
o jovem no suicídio

Raspas do nada
vazios fins de mundo
pessoas e animais
trancafiados pássaros
extinto o ser raro

Um avião contra o ar
a saúde privada sanitária
água de vala
novo tapa na cara
pessoa que apaga
imigrante caminha

Seguindo saída 
fim da linha
era ali a vida




quinta-feira, 20 de abril de 2017

Abandono



O cão foi deixado de lado
abrem porta para o desamparo
expulso ao mundo
perdido no labirinto
seguindo sem destino
nenhum amigo
fiel indivíduo

É uma criança
cachorro rapaz
o senhor idoso
a amiga maravilha
caída na elétrica avenida 
um trem passa na linha


Uma moça sem chances
o adulto apaixonado 
pivete do coração
detento sem visita
o mendigo tido como vírus
todos abandonados
expulsão do carinho
adeus vivo ao ser esquecido


Amigo e amor
se foi um dia
fim da lida vizinha
agora a solidão inimiga
vacila na vida


segunda-feira, 17 de abril de 2017

Casa de Chás





Corpo em colapso desconforto
avizinha sua parada na cidade nefasta
momento difícil às cinco horas coloniais
passa o forte sufoco na agonia da tarde
ao chá e café com bomba nuclear
o ferro velho sentimental pousa
és a ave engaiolada da cidade!

Está ali a pútrida bebida
armazenada em chaleiras segregárias
bebem os excluídos de sonhos no local
ralo dinheiro é pago
miseráveis de salário sabem ser caro
pesadelo no ar regrigerado

Segue à mesa lógica atendida
sem emotividade benigna
cadeira de desespero
preenche com o trapo esquálido
farrapo humano de desamparo

Senta sentindo sinistro serviço
acolhido pelo vazio freguês
acrescenta a colhér de mexer caos
 pede erva de trevas pós modernas
mistura o enjoô e a liquidez
vez desamor expresso
indiferença fumaça
sabor vala e tapa na cara
ingere a amarga golada
gosto da desgraça

Há o açúcar tecnológico do desprezo
 enriquecido de urãnio mentecapto
engolido com a temperatura solitária
uma dor mundial de cabeça
povoa a fria xícara

É a casa de chás das lágrimas nossas!
Uma cafeteria do abandono!
Chás para todos os desgostos!

Engole ali a depressiva vida
beirando seu suicídio
traga o veneno coletivo
o triste ser indivíduo
humano perdido como vírus
um rico mendigo
paupérrimo dolorido
patológico psiquico ser vivo

Ingere biscoito tolo no lodo
molha ao caldo de desperdício
nome vulgar ao chamado sangue
uma mordida de alegrias não vividas
fez lembrar a escola menina
onde perdeu a aurora viva

Deitar no parque não é mais possível
apenas o pesado negativo em mesa
sentado nos problemas mastigando a dor
bebe o medo nervoso
espanta moscas ou mosquitos do tédio
perturba a garganta mental
amídala cansada em pãnico
passa a gosma malévola

O rosto gelado de lágrimas
ajuda engolir esse  farto fardo
vomitando para dentro
o desgraçado pedaço
biscoito magoado

Já caindo a noite doente
lamenta sua radioatividade chorosa
uma tristeza bélica e fotográfica tumular
se acolhe na calçada suja de humanidade
um telefone celular dormitório
entrando no sono da ignorãncia
adentra certos pesadelos pessoais
frases de poesia malditas são lidas
fagulhas vivas da agonia
a vida bela farta e bonita
agora cai perdida
segue sendo ai 
extinta


domingo, 12 de março de 2017

Veículo Comercial




É o carro do capitalismo velho
passando agora na sua rua
aceita usina nuclear carcomida
feridas radioativas vivas

Compramos vírus engavetado
bactérias de largo estrago vasto
desespero engarrafado

Velhacos mísseis intercontinentais 
egoísmo de segunda mão enferrujado
vencido tanque de guerra
patifaria bélica em geral
carro devassado de polícia genocída
quadrilha de víbora indigna
fóruns de justiça cara e maligna
restos de esperança

Compra-se velharia
abandonados direitos civis aniquilados
corpo social em desamparo
moradores de rua em trapos
cadeia violenta e escola hiper lotada
campos de concentração neonazista 
 sofrimento mútuo absurdo

 Revólveres de destruição em massa
comida desperdiçada  podre e vasta
sucata de vida urbana contaminada
panelas velhas da escravidão 

Lágrimas amargas
dinheiro sujo de lucro 
compra-se o mundo


sexta-feira, 3 de março de 2017

Árvore das Tristezas







Ando voando na agonia dos dias
sou folhas para em breve pousar
 um morrer meu de desespero
lida de injustiça fria a vida
passo caindo rápido pelos infernos
são circulares opressivos
 cidade carta marcada

Amigos mendigos dizem olá
rasgo pedaço desse coração taquicardico para doar um alimento
um vento predial me move no baldio terreno cerebral devastado
planto uma árvore no deserto humano
vegetal que sou solto semente
livre de livro papel escrito
celulose com dor forte


O social pedindo para me queimar
 gasolina gratuita dos dias
é um verão sem chuva viva
minha vida frita
há apenas lágrimas proibidas
  raízes secando as esperanças
nas folhas meus poemas tristes
com os maus dizeres das pessoas


Me expulsam em viveres
afastando da pequena floresta
jardineira moça bela
enamorada esfera
desejam apenas solidão e motosserra
minha árvore caída e velha


Uma terra feita pela televisão
a ilusão que acreditam de jornal
mentira que dirigem minha vida
ela grita de manhã todos os dias
a agonia de ser desfeito
madeira em motosserra psicológica
física tortura em corte
apenas mais um tronco pobre


Jogo flores brotantes no vazio existencial
me proíbem ser um digno
cortam liberdade de seguir indo
letras duras no galho seco me ferem pena
o ataque para me defender
 negado ser legítimo
cospem em meu ser vivo


Antes pacífico me chamam agora violento
uma poda para ventrículo esquerdo
cimento ao cérebro sentimento
grandes grades me prometem
punir cada flor e folha
virando lixo sem reciclo
réu no precipício