quarta-feira, 10 de maio de 2017

Sono de Lágrimas



Seguindo perdido no frio
inimigo de si o eu sozinho mendigo
se arrasta cidadão da urbana sucata
limpa com lenço do poema à zero hora
um choro cai rasgando como navalha
fatiando  a cara
até o coração que se apaga
vida que escangalha 

Em sua cama suicida de agonia
deita o pesadelo onírico vivo
viés sonho despedaçado  
desgraça amarga
a vida bastarda
grita sua alma

Cabeça no travesseiro sarjeta 
cobertor felpudo de tristeza
solidão sempre solidária
evidência do vazio e o nada
um sono de lágrimas 
sonhando impossível  sorriso
proibido ser vivo

A cidade é seu precipício
afoga a cama
queda aberta
morte paralela
a vida ali sozinha se encerra
antes era bela
agora triste e velha
já era

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Cotidiano Letal




A escravidão da vida
pútrida indigna
extingue a via viva
antiga nossa trilha bonita
agora fica fria
guerra no dia à dia

Choro nos destroços
gotas no resto morto formado lodo
lágrimas do estudante crocodilo vendido
uma bolsa de apatia
a mochila da China
empresa na fila
inteiro desemprego
fome e desespero

O capitalismo de salsichas
estragos desunidos da América 
é uma baleia radioativa ferida
vomitando um telejornal
a internet fezes

O Japão de Fukoshima
está Chernobyl da vida
oceano alaga agonia
plâncton em chacina
não respira a vítima
vida viva

Bomba atômica made in Rússia
apresenta ausente núcleo sentimental
origem em coração vazio
vai à cidade Europa cinza
perdida

Brasil zona anti Amazônia 
 comércio de berços e bebês
vendendo o fígado da menina
uma alcoólatra cria
mãe em dejeto infantil
pivete pileque mundial
um feto dos fatos fatais
raspa de restos

O pesadelo reside em pobre 
pois  há ricos que podem sonhar
o pago sono injusto
nesse bunker bastardo
miséria e desamparo

A demência envia lembranças
passado futurista aos cantos temporais
dinheiro rascunho
plano funeral
jogo de guerra
rabisco inimigo

Emergência do incêndio veneno
contamina com bactérias e vírus
ser vivo vencido mendigo
colado no lixo
morto caindo do precipício
o jovem no suicídio

Raspas do nada
vazios fins de mundo
pessoas e animais
trancafiados pássaros
extinto o ser raro

Um avião contra o ar
a saúde privada sanitária
água de vala
novo tapa na cara
pessoa que apaga
imigrante caminha

Seguindo saída 
fim da linha
era ali a vida